Idosos se divertem em festa de fim de ano na Casa do Aconchego

A Casa do Aconchego ganhou uma decoração especial na última semana: luzes e enfeites de natal por todos os lados. O clima de natal marcou a pausa de fim de ano do projeto em uma festa emocionante com os voluntários e beneficiados. As atividades retornam no dia 17 de janeiro.

Cerca de 20 idosos chegaram para a confraternização bem cedo e foram recebidos com um café da manhã delicioso com algumas comidas temáticas. Depois, o pessoal correu para se preparar para a parte mais esperada do dia: o concurso de beleza.

Junto com as voluntárias e as beneficiadas desfilaram mostrando muito carisma na disputa de ‘’Miss Casa do Aconchego’’. A brincadeira rendeu boas risadas e até prêmio para a vencedora Margarete Aparecida, 68 anos. “Fiquei muito emocionada. Nunca imaginei que faríamos uma atividade assim e que eu ganharia uma bolsa linda. Só tenho a agradecer a todos os voluntários por todo o carinho. Amo muito todos”, falou.

Em pouco tempo, a sala do concurso de beleza se tornou uma pista de dança. Com música e animação, os idosos mostraram que não existe idade quando o assunto é se divertir e mostraram os seus passos de dança.

Na hora de ir embora, a emoção não poderia ser maior. Diante de tantas mudanças positivas que a Casa do Aconchego trouxe para cada participante, a pausa de fim de ano vai deixar saudade. “Já estou ansioso para voltar”, disse Laercio Pereira da Silva, 76. Os atendimentos voltam no dia 17 de janeiro.

Para ele, o espaço também é um local de distração. “Fico sozinho porque minha esposa morreu há 16 anos e os filhos já saíram de casa. O que faço no dia a dia é cuidar da casa e das minhas plantinhas.” A Casa do Aconchego tem tornado os dias mais animados. “O pessoal é maravilhoso. Já vim três vezes e estou gostando muito dos atendimentos e dos voluntários”, contou Silva.

A Casa do Aconchego

O espaço na sede da Cruz Vermelha de São Paulo foi inaugurado em setembro deste ano e já realizou 165 atendimentos. Ao todo, são 13 atividades de saúde e lazer oferecidas, como terapia ocupacional, terapia complementar, atendimento de psicologia, fonoaudiologia, odontologia, nutrição, tratamento de feridas, heiki e reflexologia podal. 

Participam do projeto os idosos com mais de 60 anos de comunidades em situação de vulnerabilidade social da cidade. Uma vez por semana, o grupo vem ao local para passar um dia inteiro com os voluntários.

De acordo com a coordenadora de Primeiros Socorros, Priscila Biggi, os resultados têm sido ótimos. “Conseguimos criar um vínculo com eles e humanizar ainda mais o trabalho. Esse convívio gera uma liberdade para que falem diretamente com a gente e deem suas opiniões.”