Animação e bem-estar marcam início dos atendimentos na Casa do Aconchego

Natália Scarabotto

 

 

A manhã desta quarta-feira (04/10) começou cedo para a aposentada Margarete Aparecida, 68 anos. Antes das 8h, ela já tinha escolhido uma roupa bonita e confortável e se preparava para um “dia diferente” na Casa do Aconchego, na sede da Cruz Vermelha Brasileira de São Paulo.

Assim como ela, 18 idosos participaram do primeiro dia de funcionamento do espaço, inaugurado na semana passada. Os voluntários os receberam com café da manhã e música de bolero, tocada na vitrola, ritmo animou alguns dos novos beneficiados e os colocou para dançar.

Em pouco tempo, a pista de dança improvisada deu espaço aos atendimentos e à triagem multiprofissional, que tem como objetivo conhecer mais sobre a saúde física e mental de cada atendido.

Margarete logo se juntou com uma turma de terapia ocupacional e mostrou gosto pelo desenho. Sem tirar os olhos da paisagem que tomava forma no papel, falou de suas primeiras sensações com o novo projeto. “Estou feliz de estar aqui. Geralmente fico sozinha o dia inteiro com as minhas cachorras e aqui estou passando um dia diferente e muito divertido.”

As atividades – cromoterapia, heiki, reflexologia podal, nutrição, psicologia, enfermagem, terapia ocupacional - aconteciam quase que simultaneamente. Depois da triagem, aferição de pressão e glicemia, cada idoso era encaminhado para uma dessas salas.

Rosalina da Silva Nissiguti, 74 anos, aproveitou uma sessão de cromoterapia, prática que utiliza luzes coloridas para tratamento. “Já tinha visto na televisão, mas nunca tinha feito. Ficam passando umas luzes pelo corpo e ajuda bastante a relaxar. Eu costumo ficar muito tensa, principalmente quando sei que a minha pressão está alta, e sai da sala mais relaxada.”

O carinho e atenção dos voluntários cativou Rosilda Brito, 69 anos. “Os atendimentos são ótimos, todo o pessoal é muito simpático. Hoje está sendo uma delícia, não poderia ficar melhor.” Para ela, o projeto também é uma nova atividade que chega para animar a rotina. “O meu dia é só fazer serviço de dona de casa mesmo e sabe como é, né?! Lavar roupa, passar, lavar louça, limpar a casa... Essas atividades”, contou ela.

A Casa do Aconchego, primeiramente, receberá idosos do Jardim das Camélias e Vila Madeiros “Para o primeiro dia foi muito bom! Ficamos felizes e emocionados ao ver a alegria e animação de todos os participantes. Eles aceitaram participar de todas as atividades propostas. É um piloto que promete crescer e beneficiar ainda mais gente”, afirmou uma das responsáveis pela Casa do Aconchego e coordenadora de Primeiros Socorros da filial paulista, Priscila Biggi. 

Além das atividades, os idosos e voluntários contaram com uma visita diferente. A reportagem da Rede Globo esteve no local para mostrar o projeto e os atendidos aproveitaram para desfrutar alguns minutos de fama, tudo registrado no vídeo abaixo: