A Cruz Vermelha Brasileira de São Paulo realizou oficina no Dia Nacional da criança

Por Danilsa Almeida

 

No dia 12 de outubro, Dia Nacional da Criança, a Cruz Vermelha Brasileira de São Paulo realizou uma oficina de raízes africanas e capoeira no Centro de Referência e Acolhida do Imigrante (CRAI).

O objetivo do evento foi de mostrar às crianças imigrantes de origem africana o quanto a cultura negra está representada nas expressões culturais no Brasil, como na música, na dança e na culinária, e como a capoeira se inseriu como riqueza cultural no país que hoje lhes acolhe.

Os voluntários fizeram uma breve apresentação sobre o tema “cultura” e apresentaram as semelhanças entre a cultura brasileira e a africana.

A brincadeira batata quente soltou a euforia da criançada, assim como uma atividade com cartazes que mostravam a culinária afro-brasileira. As crianças interagiram umas com as outras e participaram bastante, pois muitos pratos brasileiros têm origem em países africanos, como o cuscuz, mungunzá, vatapá, canjica, acarajé e a famosa cocada.

Teve ainda o samba (pandeiro) e a tão esperada capoeira que elevou a euforia da garotada. O grupo Associação Brasileira de Apoio e Desenvolvimento da Arte, “Abadá Capoeira”, ensinou as crianças sobre a origem da capoeira. Eles aprenderam que a capoeira é uma expressão cultural brasileira que mistura arte marcial, esporte, cultura popular e que teve sua origem por descendentes de escravos africanos. Aprenderam a tocar os instrumentos típicos, cantar, a gingar no ritmo do maculelê e do samba de roda.

No desfecho, os voluntários distribuíram lembranças para todas as crianças aproveitarem o final do dia que a elas era dedicado. Como melhor demonstração de agradecimento, os abraços não poderiam faltar para as despedidas.